Sarita Fáveri – Avesso Beta

Sarita Fáveri – Avesso Beta

Publicado: 14/08/2020

 

A Artista em Pauta, Sarita Fáveri, é idealizadora do Avesso Beta, sua marca de bordados à mão. Ela compartilha um pouco da sua trajetória até chegar ao universo do bordado, seus desafios e seu sentimento como empreededora criativa.

 

Sobre: Sou natural de Florianópolis onde vivi até terminar a faculdade em Ciências Biológicas. Depois da graduação me mudei para a Amazônia, onde fiz mestrado e doutorado em Ecologia. Sempre tive muita admiração por trabalhos feitos à mão mas acreditava que não era pra mim que não levava jeito pra nada. Vivi no Norte do país por 13 anos. Tive meus filhos e me me tornei professora universitária. Foi só depois da maternidade e por conta de uma transição de carreira que comecei a colocar minhas mãos à serviço do manual. O bordado livre me fisgou e depois de cinco anos que eu bordava criei o Avesso Beta. Eu queria muito compartilhar todas as transformações que tinham ocorrido comigo, porque sempre escutava, e ainda escuto, muita gente dizendo “queria tanto fazer isto mas não tenho talento”. Me render ao mundo do feito à mão e do bordado trouxe muitas mudanças na minha vida, que vão muito além das habilidades criativas. Todo este universo trouxe um novo olhar e uma nova maneira de encarar a vida, de me relacionar com as pessoas. E com o Avesso Beta eu queria poder mostrar tudo isto. Foi daí também que veio o nome – Avesso Beta – que é uma brincadeira entre o avesso do bordado e o nosso avesso. E o Beta é aquela versão teste, que se atualiza e melhora com o uso. Assim como no bordado, nosso avesso não precisa ser perfeito. Afinal, passamos a vida tentando ser melhores e buscando nossa melhor versão. Somos, portanto, uma versão beta de nós mesmos. É com este espírito que crio meus bordados.

 

Fotografia – acervo Sarita Fáveri


Como você entrou nesse universo do artesanal? 
Costumo dizer que eu não sou aquela pessoa que tem uma história bonita cheia de memórias afetivas sobre minha relação com o feito à mão. Totalmente ao contrário, eu sempre me esquivei disto porque cresci achando que eu não levava jeito. Minha história é de uma mulher madura que se viu diante de uma encruzilhada e que teve que abandonar muito sobre o que tinha construído ao seu respeito. Um processo ao mesmo tempo doloroso e mágico, de intenso trabalho de auto-conhecimento e de dedicação a esta nova versão de mim mesma. Foi durante um processo de transferência do meu emprego, que não ocorreu, que eu comecei a experimentar os trabalhos manuais e a perceber que eu tinha muita coisa para criar. E o bordado livre me conquistou. Depois de quase cinco anos bordando eu conheci o mundo do empreendedorismo criativo e percebi que existia uma maneira mais moderna e criativa de ter um negócio próprio. Foi então que eu criei Avesso Beta. E nisto estou desde então.

 

Qual é o processo de criação das suas peças?

Depende muito do ponto de partida do trabalho. Se é uma encomenda, eu procuro junto com o cliente descobrir tudo que for possível para criar algo que se aproxime o máximo do que ele quer. Geralmente os pedidos já vem cheios de referências, porque elas já conhecem o meu trabalho, se identificam com ele. Então em cima de todas as informações eu faço um esboço do bordado no papel, monto uma cartela de cores e decido quais pontos que vou usar. Tudo isto volta pro cliente e ele concordando eu começo a bordar. Eu adoro as encomendas! Mas eu também gosto de bordar coisas para mim mesma ou para criar peças à pronta entrega. Neste caso o processo de criação tá mais relacionado a como eu estou me sentindo, algo que estou vendo acontecer na natureza ao meu redor, algo que eu quero dizer. São bordados que refletem muito o meu sentir naquele momento. Às vezes é uma frase que eu escuto numa música, uma planta, um insetinho no quintal. Tudo alimenta estas vontades. Eu gosto de experimentar materiais, superfícies diferentes, coisas que nem sempre coloco para as pessoas verem.

 

Quais são as suas referências e inspirações?

Meu trabalho tá muito relacionado a minha ligação com a Biologia e a natureza. Plantas e insetos eram meus objetos de estudo enquanto fui professora e pesquisadora. E desde criança sempre foram minha paixão. Tento manter eles por perto nos bordados. Mas de uma maneira simples e colorida. Também gosto de tentar reproduzir no bordado a relação que tenho com o estar em casa. Às vezes pode ser uma janela, uma varanda, um cantinho gostoso. Gosto de pensar que o bordado vai ajudar tornar estas coisas mais especiais. Tem algumas artistas que eu gosto muito como Sarah Benning que tem um trabalho com bordado muito lindo e também gosto de algumas ilustradoras, acho que minha preferida é a Kristina Kamenikova. O que eu mais gosto nas duas é a relação delas com as plantas, é algo que me enche a alma.

 

Qual é o seu compromisso e suas práticas sustentáveis no momento?

Acho que meu trabalho tá muito pautado em questões como consumir com mais significado e responsabilidade. Mas também de mostrar que muitas coisas nós mesmos podemos fazer, o que já gera uma outra consciência de consumo. Acredito que quando a gente aprende uma manualidade como o bordado, podemos dar cara nova à uma roupa, reaproveitamos um tecido, começamos a gostar de fazer outras coisas em casa, da nossa comida a um pequeno conserto. Tudo isto gera menos impacto. No ateliê eu aproveito muita sobra de tecido e linha, uso tudo o que dá para criar peças menores como colares, broches, porta agulhas. Além disto prezo pela qualidade dos materiais para que eles tenham uma melhor durabilidade e que não sejam descartados rapidamente.

 

Quais são os maiores desafios para você?

Acho que o maior desafio é a parte administrativa do negócio. Sou só eu à frente de tudo. Meu negócio é pequeno e quero muito que ele cresça, mas que ele esteja alinhado com a minha vida. O que não quer dizer que é um trabalho frouxo. De jeito nenhum. Eu trabalho bastante mas respeito muito o meu tempo, porque é assim que eu gostaria que as pessoas também se relacionassem consigo mesmas, com respeito a seus tempos. Por outro lado não posso parar de aprender. Sinto que por não ter formação em nenhuma área artística, me cobro muito para não ficar parada numa coisa só. Então tô sempre em busca de me atualizar, e de aprender coisas que podem me ajudar a melhorar tanto o meu bordado como a minha entrega aos clientes.

 

Você possui algum projeto em vista que possa nos adiantar?

Quando 2020 começou meu maior objetivo era tornar meu ateliê um espaço para troca e aprendizagens nas manualidades. Tinha muitos planos de trazer pessoas para ensinar diferentes trabalhos manuais. Era um plano meu dar mais oficinas de bordado, já tinha várias sendo criadas. Tudo isto foi colocado pra “dormir” por conta da situação da pandemia do COVID19. Eu estava muito focada nisto e foi difícil virar a chave e pensar de que maneira eu poderia não deixar de existir como Avesso Beta. Resolvi então retomar os bordados para a loja on-line, e bordei muito no primeiro mês da quarentena. Fiquei muito perdida porque o presencial pra mim sempre foi muito importante. Até que comecei a fazer kits personalizados e foram bem aceitos. Então tenho trabalhado nisto além das encomendas e quero lançar um produto novo agora em Agosto. Me deixa muito satisfeita e realizada quando “trago” alguém pro bordado. Ensinar é algo que me deixa mesmo inteira.

 

Você leva arte manual para dentro da casa das pessoas. Como você é isso para você?

Te confesso que depois da criação é o que eu mais gosto. É emocionante e motivador saber que um bordado que eu fiz está na casa de alguém. Eu gosto de dizer que o bordado é feito por mim mas ele não é meu. Além do mais me enche de satisfação encontrar e conhecer pessoas que consomem o feito à mão, que valorizam o artesanal e tornam este movimento mais forte. De verdade eu acredito que estamos mudando a maneira de consumir, e isto me deixa muito feliz. E por fim acho que contribuo para que as pessoas passem a ter uma nova maneira de se relacionar com seus espaços, trazendo para eles objetos que tenham algum significado, que os façam reviver memórias, que lhes traga bem-estar. E por isso me sinto muito feliz e também por isso me encho de coragem todos os dias para continuar em frente.

 

 

Conheça mais o trabalho da Sarita no Instagram e site.

Conhece alguém que pode se interessar pela decoração artesanal? Então compartilhe nossas entrevistas e incentive outros a refletirem sobre o assunto.

Até nossa próxima conversa 😉

3 Comments
  • Karla
    Posted at 12:25h, 14 agosto Responder

    Já encomendei dois trabalhos do Avesso Beta. Expliquei o que queria e quando vi o resultado, simplesmente me apaixonei. Recomendo! A Sarita é super profissional.

  • Rosana Sarmento
    Posted at 19:14h, 14 agosto Responder

    Adorei conhecer um pouco mais de Sarita! Ela me iniciou no bordado livre e não parei mais.

  • Marli Borges
    Posted at 12:10h, 15 agosto Responder

    Trabalhos lindos e bem feitos, cabe aqui ” não há de elogiar o toco senão acoruja” Estou orgulhosa, por ser a mãe dela.

Post A Comment

Cadastre-se!

Olá! Deixe o seu e-mail para receber conteúdos exclusivos, novidades e descontos.